FESTIVAL DE MARIONETAS PASSA TRÊS DIAS POR ALBUFEIRA

Versão de impressãoVersão PDF

Durante três dias, 17, 23 e 26 de setembro, Albufeira acolhe o “Fome – Festival de Objetos e Marionetas & Outros Comeres”, um evento dinamizado pela ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve, numa produção realizada em parceria pelos seis municípios do Algarve Central, nomeadamente Albufeira, Faro, Loulé, Olhão, São Brás de Alportel e Tavira, com financiamento da União Europeia através do programa CRESC Algarve 2020.

Em Albufeira o Festival abre portas com a realização da Oficina Teatro D. Roberto, pela Companhia Mãozorra, no Auditório Municipal, no próximo dia 17 de setembro, entre as 9h30 e as 13h30. A iniciativa tem por objetivo sensibilizar os participantes para o universo do teatro de marionetas, através da construção de uma marioneta de luva, abordando diversas técnicas de manipulação, com especial enfoque para a criação de personagens do Teatro D. Roberto e da realização de pequenos ensaios através da manipulação das marionetas em grupo.

No dia 23, o programa será recheado por vários espetáculos, a decorrer ao longo do dia, no Largo Eng.º Duarte Pacheco, no centro da cidade.

Às 11h00, a Companhia “A Barraca do Gregório”, de Lagoa, apresenta o espetáculo de rua D. Roberto o Algarvio, duas pequenas histórias “D. Roberto e a Namorada” e “O Burro Teimoso”, baseados na técnica dos bonecos tradicionais portugueses de mão enluvada – Teatro D. Roberto. Descendentes do pulcinello italiano, do guinol francês e do punch inglês, os robertos são de raiz extremamente popular, caraterizando-se pela sua voz única e pelas suas histórias curtas e cheias de ação, a maior parte das vezes herdadas por tradição oral e adaptadas a cada realidade sociopolítica e religiosa. Os Robertos chegam aos nossos dias pelas mãos de bonecreiros como o Mestre António Dias, o Mestre António Rosado ou o Mestre Domingos Moura, que eram frequentemente encontrados nas praias do Norte, nas feiras e romarias, e nas ruas e jardins de grandes cidades como o Porto e Lisboa.

Segue-se, pelas 11h30, Pulcinella, pela Companhia Irene Vecchia (Itália), um espetáculo construído com recurso ao “Guarattlle”, forma tradicional napolitana de teatro de rua, criada com a técnica de bonecos de luva. Trata-se de uma tradição popular transmitida oralmente há mais de 500 anos em Itália, em que a personagem principal encena o eterno conflito entre o bem e o mal.

Na parte da tarde estão agendados dois espetáculos. Às 18h00, a Companhia Clive Chandler (Birmingham/Inglaterra) leva ao Largo Eng.º Duarte Pacheco o espetáculo Punch and Judy. Esta é uma excelente oportunidade para ver o professor Clive Chandler, um profissional com mais de 30 anos de experiência no teatro tradicional de marionetas, numa performance muito ritmada e engraçada, com uma série de marionetas de luva, que incluem o polícia e o crocodilo e onde no final o diabo sai derrotado.

Pelas 18h30, é a vez da Companhia Lafontana – Formas, de Vila do Conde, apresentar Mamulengo Capiroto, um espetáculo de características genuinamente populares, onde os atores são bonecos que falam, que dançam, brigam, e quase sempre, morrem. O espetáculo vem dar continuidade ao projeto de investigação que o grupo tem vindo a realizar sobre este teatro ao longo dos últimos 15 anos, refletindo e revelando de forma singular a relação entre esta manifestação e os seus congéneres em Portugal.

O Festival encerra a 26 de setembro, pelas 10h30, com a Companhia Tuti, de Buenes Aires, (Argentina) a levar ao palco do Auditório Municipal de Albufeira, o espetáculo Un Elefante com Hambre, que conta a história de “um elefante que estava com tanta fome que a barriga não parava de fazer barulho. Tanto barulho fez com que a barriga dele abrisse e dentro dela … havia um circo de fome!!  Então será descoberto que dentro desse circo vivem mágicos, trapezistas, equilibristas e até um cantor de tangos”.

Todos os espetáculos são de entrada gratuita.

 

Galeria de Fotos: 

Seção do Portal: 

Data de Publicação: 

06/09/2018