Consultas de Documentação

E.g., 2021/09
Título/Referência Data do Documentoordenação descendente Descrição Descarregar o Documento
Aviso N.º 1/2016 - ANPC 2016/01/07

Aviso N.º 1/2016 - 07 Janeiro 2016 - 15:00 - Condições Meteorológicas Adversas

​Situação Meteorológica:

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), realizado hoje pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), e de acordo com a informação meteorológica disponibilizada salienta-se para os próximos dias um agravamento das condições meteorológicas atuais, com especial destaque para as regiões a norte do rio Tejo e, em particular, as regiões do Minho e Douro Litoral. Destacam-se como principais fatores:

  • Precipitação persistente com picos de maior intensidade (>10 mm/h) durante o dia de amanhã (08jan) e no domingo (10jan), cujos acumulados podem ultrapassar os 200 mm durante este período;
  • Queda de neve acima dos 1400m (podendo descer pontualmente aos 1200m);
  • Vento a soprar forte com rajadas da ordem dos 90 km/h no litoral e 100 km/h nas terras altas;
  • Agitação marítima na costa ocidental com ondas até 5m.


Informação hidrológica relevante:

  • Escoamento superficial e sub-superficial tendencialmente elevado, podendo originar inundações rápidas em zonas historicamente vulneráveis, mais prováveis nas bacias dos rios Minho, Lima Cávado, Ave, Vouga, Douro e Mondego. Não são de excluir eventuais situações de cheias provocadas pelo aumento de caudal das principais linhas de água.
  • As condições de saturação dos solos favorecem a possibilidade de ocorrência de deslizamentos em zonas de declive mais acentuado.


Efeitos expectáveis:
Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preiamar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência.


​Medida de auto-proteção:
A ANPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água e gelo nas vias;
  • Transporte e colocação das correntes de neve nas viaturas, sempre que se circular nas áreas atingidas pela queda de neve;
  •  Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atenta para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em virtude de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas;
  • Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.
PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso N.º 2/2016 - ANPC 2016/01/07

Aviso N.º 2/2016 - 25 Fevereiro 2016 - 14:00 - Condições Meteorológicas Adversas - Precipitação, Neve, Vento e Agitação Marítima

​Situação Meteorológica:

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), realizado hoje pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), e de acordo com a informação meteorológica disponibilizada salienta-se para os próximos dias um agravamento das condições meteorológicas, com especial incidência para as regiões a norte do rio Tejo e Alto Alentejo, em particular, no Minho e Douro Litoral, com a probabilidade de ocorrência de:

  • Queda de neve acima dos 1000/ 1200 metros de altitude, acumulando pelo menos 5 cm a partir do fim da madrugada de amanhã sexta-feira, descendo a cota gradualmente a partir do início da tarde para os 400/ 600 metros acumulando entre 6 e 30 cm até ao final do dia de sexta-feira. No sábado, prevê-se queda de neve em regime de aguaceiros acima de 200/ 400 metros de altitude, embora com menor intensidade, podendo também atingir as regiões do sul;
  • Chuva por vezes forte (podendo acumular entre 30 e 40 mm em 6 horas), passando a aguaceiros por vezes fortes (entre 10 e 20 mm/h) de granizo e acompanhados de trovoada, entre o fim da madrugada e o fim do dia de amanhã sexta-feira, em especial no período entre o início da manhã e o meio da tarde;
  • Vento muito forte do quadrante sul, rodando para noroeste a partir da tarde sexta-feira, com rajadas até 80 km/h (até 90 km/h no sábado) no litoral e até 100 km/h terras altas, a partir do fim da madrugada do dia de amanhã sexta-feira até ao fim do dia de domingo;
  • Agitação marítima na costa ocidental com ondas de noroeste entre 4 e 5 metros de altura significativa, a partir do meio da tarde de sexta-feira, aumentando a partir da do início da tarde de sábado para 5 a 6 metros de altura significativa (altura máxima entre 10 e 12 metros e período médio entre 10 a 11 segundos, no sábado) até ao fim da manhã de domingo.


Informação hidrológica relevante:

  • Possibilidade de inundações nas zonas historicamente vulneráveis.


Efeitos expectáveis:
Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preiamar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência.


​Medida de auto-proteção:
A ANPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água e gelo nas vias;
  • Transporte e colocação das correntes de neve nas viaturas, sempre que se circular nas áreas atingidas pela queda de neve;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atenta para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em virtude de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas;
  • Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.
PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso AMARELO do IPMA emitido para o Algarve 2016/08/05

Face ao Aviso AMARELO do IPMA emitido para o Algarve, a ARS Algarve recomenda a adoção de medidas gerais de prevenção do impacto do calor na saúde da população em geral e das pessoas mais vulneráveis. Chama-se especial atenção para os cidadãos que possam ter mais suscetibilidade aos efeitos do calor, nomeadamente os doentes crónicos, crianças até 1 ano de idade, idosos, não esquecendo o dever cívico de todos, na proteção das pessoas que nos rodeiam também vulneráveis, como os familiares, vizinhos e idosos que vivam isolados. Para o esclarecimento de dúvidas sobre o impacto do calor na saúde, deverá ser utilizada o atendimento telefónico gratuito - Linha de Saúde 24 (808 24 24 24). Reforça-se a importância da hidratação e permanência em locais mais frescos/ climatizados para manter o corpo fresco.”

Clique para aumentar Clique para aumentar
Aviso N.º 3/2016 - ANPC 2016/08/05

Aviso N.º 3/2016 - 05 Agosto 2016 - Condições meteorológicas associadas ao tempo quente e seco
 

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizado hoje no Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), prevê-se um agravamento significativo das condições meteorológicas associadas ao tempo quente e seco e, consequentemente, dos índices de risco de incêndio, salientando-se para os próximos dias:

  • Temperatura: para hoje (05 agosto) prevêem-se temperaturas elevadas, subindo também a temperatura mínima, a qual pode atingir valores de 20°C na generalidade do território;
  • Nos próximos dias a subida de temperatura acentua-se, inclusivamente no litoral, no domingo com valores acima dos 36°C na generalidade do território. A subida da temperatura mínima também se acentua, com valores a atingir os 25°C na noite de domingo;
  • ​Humidade relativa: hoje a humidade relativa é inferior a 30% na generalidade do território e nos próximos dias a humidade relativa continua a diminuir, com valores inferiores a 30% no Sul;
  • ​Vento: o vento do quadrante leste intensifica-se hoje à noite e no domingo;
  • ​Índices de risco de incêndio a manterem-se muito elevados no Algarve, prevendo-se um agravamento generalizado e um alargamento para o litoral durante o fim-de-semana.


Efeitos expectáveis:
Em função da previsão da evolução das condições meteorológicas é expectável:
Tempo quente e seco e vento moderado com permanência de condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios florestais.


​Medida de auto-proteção:
A ANPC e o Serviço Municipal de Proteção Civil, recorda que, de acordo com as disposições legais em vigor, não é permitido em todos os espaços rurais:

  • Realização de queimadas, nem de fogueiras para recreio ou lazer, ou para confeção de alimentos;
  • ​Utilização de equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;
  • Queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração;
  • O lançamento de balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • ​Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias que os circundem;
  • A fumigação ou desinfestação em apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.


ANPC e o SMPC  recomenda ainda a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio florestal, nomeadamente com a adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, observando as proibições em vigor e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias, disponível junto dos sítios da internet da ANPC e do IPMA, junto dos Gabinetes Técnicos Florestais das Câmaras Municipais/SMPC e dos Corpos de Bombeiros.

PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso N.º 4/2016 - ANPC 2016/08/10

Aviso N.º 4/2016 - 10 e 11 Agosto 2016 - Condições meteorológicas adversas: tempo quente e seco, agravadas pela intensificação do vento

De acordo com a informação atualizada e disponibilizada pelo IPMA, salienta-se para as proximas 48 horas a persistência das condições associadas a tempo quente e seco, agravadas pela intensificação do vento:

  • Nas regiões do litoral, fluxo de noroeste ate 35Km/h com rajadas da ordem dos 60 Km/h durante a tarde e temporariamente de sudoeste na costa Sul do Algarve. Vento à superficie marcadamente de Leste amanhã no interior, de intensidade moderada (<30 Km/h);
  • Nas terras altas do Norte e Centro, fluxo de nordeste moderado a forte (<45Km/h) a partir do inicio da tarde, em particular acima dos 800 m;
  • Inversões térmicas acima dos 500m mais localizadas na regiao do Minho e Douro Litoral;
  • Humidade relativa do ar abaixo de 15% no interior.

Estas condições meteorologicas, dificultam a supressão dos incêndios e facilitam a sua propagação.
De salientar, ainda, que as condições meteorologicas e de qualidade do ar associadas a ocorrência de incêndios florestais podem ter efeitos significativos na saúde pública, particularmente nos grupos mais vulneráveis da população.

A ANPC apela por isso a toda a população para que tenham cuidados redobrados e adotem comportamentos de precaução para evitarem os incêndios florestais.
Reiteram-se, por isso, todas as recomendações efetuadas em comunicados emitidos anteriormente:


RISCO DE INCÊNDIO - MEDIDAS DE PREVENÇÃO

1. PREVISÃO
No seguimento do contacto com o Instituto Portugues do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizado hoje, 6 de agosto, no Comando Nacional de Operacoes de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Protecao Civil (ANPC), salientam-se:

  • O prolongamento das condicoes meteorologicas constantes no Aviso a Populacao de ontem
  • Indices de risco de incendio em niveis muito elevado e extremo

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Em função da previsão da evolução das condições meteorológicas é expectável:

  • Tempo quente e seco e vento moderado com permanência de condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios florestais;


3. MEDIDAS DE PREVENÇÃO – A PROTEÇÃO CIVIL recomenda:

3.1.1. Risco de Incêndio

Nesta altura do ano, e de acordo com as disposições legais em vigor, não é permitido nos espaços rurais:

  • Realizar queimadas, fogueiras para recreio ou lazer, ou confecção de alimentos;
  • Utilizar equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confecção de alimentos;
  • Queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes;
  • Lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • Fumar ou fazer lume nos espaços florestais e vias que os circundem;
  • A fumigação ou desinfestação em apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.


3.1.2. Na realização de trabalhos agrícolas e florestais:

  • Mantenha as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras;
  • Abasteça as máquinas a frio e em local com pouca vegetação;
  • Tenha cuidado com as faíscas durante o seu manuseamento, evitando a sua utilização nos períodos de maior calor.

3.1.3. Se mora junto a uma área florestal:

  • Limpe o mato à volta da sua habitação e guarde, em lugar seguro e isolado, a lenha, gasóleo e outros produtos inflamáveis;
  • Para informações sobre prevenção estrutural de incêndios florestais contacte o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas;
  • Informe as autoridades se presenciar atos negligentes ou comportamentos dolosos. Acompanhe a previsão de Risco de Incêndio na página da internet do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em www.ipma.pt, e aconselhe-se junto do Serviço Municipal de Proteção Civil e dos Corpos de Bombeiros da sua localidade.


AVISO À POPULAÇÃO

3.2. CALOR – Efeitos na Saúde

  • Mantenha-se hidratado (beba água, mesmo se não tiver sede);
  • Mantenha a casa arejada;
  • Evite a exposição ao sol nas horas de maior calor (entre as 11h00 e as 17h00);
  • Se viajar de carro, escolha as horas de menor calor. Não permita que pessoas e/ou animais fiquem dentro da viatura ao sol;
  • Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes, podem não sentir, ou não manifestar sede. Ofereça-lhes água e esteja atento;
  • Atenção redobrada ao grupos mais vulneráveis, idosos, crianças, doentes crónicos, sem-abrigo, pessoas que desenvolvem a sua atividade no exterior;


Não se esqueça;
“A Proteção Civil é uma responsabilidade de todos”

PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso N.º 5/2016 - ANPC 2016/09/01

Aviso N.º 5/2016 - 02 a 04 Setembro 2016 - Perigo de Incêndio Florestal

Situação Meteorológica

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizado hoje pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), salienta-se para as próximas 48 horas a continuação do tempo quente e seco, com índices de risco de incêndio em níveis muito elevado e máximo na região do Algarve, destacando-se:

  • Temperatura máxima entre 32 e 36ºC para hoje e entre 34 a 38ºC amanhã;
  • Humidade relativa inferior a 30% na região sul;
  • Vento moderado (até 30 km/h) do quadrante leste nas terras altas até início da manhã de amanhã.
  • Noites quentes e secas (temperatura mínima superior a 20ºC nas regiões do interior). 


2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Em função da previsão da evolução das condições meteorológicas é expectável:

  • Tempo quente e seco e vento moderado com permanência de condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios florestais. 


3. MEDIDAS DE AUTO-PROTEÇÃO

A ANPC recorda que, de acordo com as disposições legais em vigor, não é permitido em todos os espaços rurais:

  • Realização de queimadas, nem de fogueiras para recreio ou lazer, ou para confeção de alimentos;
  • Utilização de equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;
  • Queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração;
  • O lançamento de balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias que os circundem;
  • A fumigação ou desinfestação em apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.


A ANPC recorda, ainda alguns cuidados a ter, face às condições meteorológicas previstas, na realização de trabalhos agrícolas e florestais, nomeadamente:

  • A obrigatoriedade de que as máquinas de combustão interna e externa a utilizar, onde se incluem todo o tipo de tratores, máquinas e veículos de transporte pesados, sejam dotadas de dispositivos de retenção de faíscas ou faúlhas e de dispositivos tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés e estejam equipadas com um ou dois extintores;
  • Manter as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras;
  • Abastecer as máquinas a frio e em local com pouca vegetação;
  • Ter cuidado com as faíscas durante o seu manuseamento, evitando a sua utilização nos períodos de maior calor.


A ANPC recomenda ainda a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio florestal, nomeadamente com a adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, observando as proibições em vigor e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias, disponível junto dos sítios da internet da ANPC e do IPMA, junto dos Gabinetes Técnicos Florestais das Câmaras Municipais e dos Corpos de Bombeiros.

 

PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso N.º 6/2016 - ANPC 2016/09/12

Aviso N.º 6/2016 - 13 de Setembro 2016 - Condições Meteorológicas Adversas - Precipitação, vento, trovoadas e descida da temperatura máxima

Situação Meteorológica:

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), e de acordo com a informação meteorológica disponibilizada salienta-se para amanhã para o Sul do país;
Períodos de céu muito nublado, apresentando-se encoberto até ao início da manhã.
Períodos de chuva, por vezes forte, passando a aguaceiros que podem ser acompanhados de trovoada até ao início da manhã.
Vento fraco a moderado (10 a 30 km/h) do quadrante sul, soprando moderado a forte (30 a 40 km/h) e por vezes com rajadas até 70 km/h nas terras altas, rodando para noroeste a partir do início da manhã.
Descida da temperatura máxima, que será acentuada no interior.


​Informação hidrológica relevante:

  • Possibilidade de inundações nas zonas historicamente vulneráveis.


Efeitos expectáveis:

Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • ​Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência. 


Medida de autoproteção:

O SMPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas;
  • Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.


Fonte: IPMA

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt


A Proteção Civil é uma responsabilidade de todos

PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso N.º 7/2016 - ANPC 2016/09/24

Aviso N.º 7/2016 - 24 de outubro de 2016 - Condições Meteorológicas Adversas - Precipitação, vento forte e agitação marítima

Situação Meteorológica:

De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA no presente dia, prevê-se um agravamento das condições meteorológicos a partir do final do dia de hoje (23Out) e até 3ªfeira (25Out), que irá afetar sobretudo a região Sul e em particular os distritos de Faro, Beja e Setúbal:

  • Precipitação forte (>20 mm/h ou até 60 mm/3h), com o período mais crítico a situar-se entre as 18h de 24Out (2ªfeira) e as 06h de 25Out (3ªfeira), que pode ser acompanhada de trovoada e fenómenos extremos de vento.
  • Vento a soprar com intensidade moderada a forte (até 45 Km/h), com rajadas de 75 Km/h que, nas terras altas, pode intensificar até 95 Km/h.

Agitação marítima até 5,5 m, com picos de onda a atingir 9 a 10 m em toda a costa. Subida da maré a coincidir com o período mais crítico de precipitação (preia-mar entre as 23:30 e as 23:54 de 2ªfeira). 


​Informação hidrológica relevante:

  • Possibilidade de inundações nas zonas historicamente vulneráveis.


Efeitos expectáveis:

Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Possíbilidade de queda de ramos de árvores em virtude de vento mais forte.


Medida de autoproteção:

O SMPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards, e outras estruturas suspensas;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto a áreas arborizadas, estando atenta para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em virtude de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas; 
  • Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.


Fonte: IPMA

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt


A Proteção Civil é uma responsabilidade de todos

PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Aviso N.º 8/2016 - ANPC 2016/09/24

Aviso N.º 8/2016 - 3.11.16 - 20h a 4.11.16 - 20h - Condições Meteorológicas Adversas - Precipitação, vento e agitação marítima

Situação Meteorológica:

De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA para as próximas 24 horas, prevê-se:

  • Que as condições meteorológicas agravem-se devido à possibilidade de precipitação forte e fenómenos extremos de vento motivados por células convetivas que se poderão formar a nível local. Ainda na tarde do dia de hoje, existe a possibilidade de ocorrência de fenómenos extremos de vento nas serras Algarvias;
  • Amanhã prevê-se que os valores de precipitação possam atingir entre 10 mm/hora a 20 mm/hora, em particular na parte da tarde; 
  • Agitação marítima, com ondas de sueste que poderão atingir 2 metros, sendo de referir que amanhã a preia-mar em Lagos ocorre às 16:49.

 


​Informação hidrológica relevante:

  • Possibilidade de inundações nas zonas historicamente vulneráveis.


Efeitos expectáveis:

Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Possíbilidade de queda de ramos de árvores em virtude de vento mais forte.


Medida de autoproteção:

O SMPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards, e outras estruturas suspensas;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto a áreas arborizadas, estando atenta para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em virtude de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas; 
  • Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.


Fonte: IPMA

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt


A Proteção Civil é uma responsabilidade de todos

PDF icon Aviso à População SMPC Albufeira
Início do Ano Hidrológico - Medidas de Prevenção e Autoproteção face ao risco de Inundações 2016/10/13

Com o início do novo ano hidrológico e o consequente aproximar de um período onde passará a ocorrer, naturalmente, maior precipitação, aumentará significativamente o risco de inundações urbanas e cheias, e em consequência, a vulnerabilidade de pessoas e bens aos seus efeitos.

PDF icon Ano Hidrológico n.º1, PDF icon Ano Hidrológico n.º2

Páginas