Consultas de Documentação

E.g., 2021/09
Título/Referência Data do Documento Descriçãoordenação ascendente Descarregar o Documento
Aviso n.º 01/2013 2013/01/17

Aviso à População - Precipitação e Vento Forte

PDF icon aviso_01_2013_anpc.pdf
Aviso n.º 01/2013 - SMPC 2013/10/23

Aviso à População - Precipitação e Vento Forte

PDF icon aviso_smpc_1_2013.pdf
Início do Ano Hidrológico - Medidas de Prevenção e Autoproteção face ao risco de Inundações 2016/10/13

Com o início do novo ano hidrológico e o consequente aproximar de um período onde passará a ocorrer, naturalmente, maior precipitação, aumentará significativamente o risco de inundações urbanas e cheias, e em consequência, a vulnerabilidade de pessoas e bens aos seus efeitos.

PDF icon Ano Hidrológico n.º1, PDF icon Ano Hidrológico n.º2
Aviso - ANPC 2017/09/22

Tempo Quente e Seco - Perigo de Incêndio Rural

1. SITUAÇÃO
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê para os próximos dias a manutenção de um cenário meteorológico caraterizado por tempo seco, com índices muitos baixos de humidade relativa, e vento forte.

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
A situação é muito favorável à ocorrência de incêndios rurais que, caso venham a verificar-se, podem evoluir com grande rapidez de propagação e enorme dimensão, uma vez que ainda há grande quantidade de material lenhoso acumulado nos espaços florestais.

3. MEDIDAS PREVENTIVAS
O risco descrito exige um cuidado redobrado por parte de todos, nomeadamente a através da adequação dos comportamentos ao uso e fruição do espaço rural, de modo a que se evitem ignições suscetíveis de originar incêndios rurais grandes e facilmente propagáveis.

Reiteramos que é PROIBIDO fazer uso do fogo junto a espaços florestais, sendo imperioso que todos os portugueses adequem os seus comportamentos face ao risco existente nessas áreas ao longo dos próximos dias.

Assim, recordamos que não é permitido:

  • Realizar queimadas ou fogueiras;
  • Utilizar equipamentos de queima e de combustão;
  • Queimar matos cortados e amontoados ou qualquer tipo de sobrantes de exploração;
  • Lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais ou vias circundantes;
  • Proceder à fumigação ou desinfestação de apiários com equipamentos sem dispositivos de retenção de faúlhas.

Só a observação rigorosa destes princípios pode garantir a efetiva proteção e defesa da nossa floresta contra incêndios.

TOLERÊNCIA ZERO no uso de fogo, pois
PORTUGAL SEM FOGOS DEPENDE DE TODOS!

PDF icon Aviso à População
Aviso - ANPC 2018/09/26

Prorrogação do período crítico no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios, para o ano de 2018, por força das circunstâncias meteorológicas excecionais

Tendo em consideração as circunstâncias meteorológicas prováveis para a 1.ª quinzena de outubro, de temperaturas com valores acima do que é o padrão para a época, uma baixa probabilidade de ocorrência de precipitação e porque o território nacional se encontra em níveis elevados de valores de severidade meteorológica diária acumulada, prevê-se uma manutenção do risco de incêndio rural em níveis elevados. Neste sentido e porque impera a necessidade de continuar a adotar as medidas e ações especiais de prevenção de incêndios florestais, que decorrem durante o período crítico, no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios, estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho, na sua redação atual, foi prorrogado o período crítico, até ao dia 15 de outubro de 2018.

Despacho n.º 9084-A/2018 - Diário da República n.º 186/2018, 1º Suplemento, Série II de 2018-09-26  

Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural - Gabinete do Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural

Prorroga até 15 de outubro o período crítico no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios, para o ano de 2018, por força das circunstâncias meteorológicas excecionais.

Aviso - ANPC 2017/11/16

Perigo de Incêndio Rural

1. SITUAÇÃO
Na sequência da informação disponibilizada pelo Instituo Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), verificar-se-á, previsivelmente, a partir de amanhã, sexta-feira 17 de novembro, e durante os próximos dias, um período de tempo seco e subida de temperatura, para valores acima da média para esta época do ano.

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Estão reunidas condições favoráveis à propagação de incêndios rurais na eventualidade de se verificarem ignições do material lenhoso, uma vez que o país atravessa um já longo período de seca e, além disso, existe ainda grande quantidade de material combustível acumulado e suscetível de arder rápida e violentamente nos espaços florestais.

3. MEDIDAS PREVENTIVAS
Face ao quadro meteorológico traçado e aos efeitos expectáveis que dele decorrem, é imperioso adequar e ajustar os comportamentos individuais ao risco de incêndio florestal que irá vigorar ao longo dos próximos dias, bem como adotar as medidas cautelares apropriadas com vista a evitar ocorrências associadas a incêndios rurais.

Por isso, a ANPC recorda que, de acordo com as disposições legais em vigor, para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja superior ao nível ELEVADO, não é permitida:

  • A realização de queimadas.

Para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja superior ao nível MUITO ELEVADO, continua a não ser permitido:

  • Realizar fogueiras para recreio, lazer ou para a confeção de alimentos;
  • Utilizar equipamentos de queima e de combustão, destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;
  • Queimar matos cortados e amontoados ou qualquer tipo de sobrantes de exploração;
  •  Lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias de atravessamento ou circundantes;
  • Fumigar ou desinfestar apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.

A ANPC recorda, ainda, os cuidados a observar aquando da realização de trabalhos agrícolas e florestais:

  • Manter as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras;
  • Abastecer as máquinas a frio e em local com pouca vegetação;
  • Guardar todo o cuidado com as faíscas durante o seu manuseamento, evitando a sua utilização nos períodos de maior calor.
     

Por fim, a ANPC sublinha que todos devem respeitar as proibições em vigor e guardar especial atenção à evolução do perigo de incêndio florestal durante os próximos dias nas diferentes regiões do país, informando-se, para o efeito, através dos sítios digitais da ANPC e do IPMA, bem como dos Gabinetes Técnicos Florestais, das Câmaras Municipais e dos Corpos de Bombeiros das diversas localidades.

PDF icon Aviso à População
Aviso - ANPC 2017/11/17

NOTA À COMUNICAÇÃO SOCIAL emitida hoje pelo Ministério da Administração Interna relativa à prorrogação do período crítico de incêndios rurais.

Na sequência da informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) para as próximas 72 horas, o Ministério da Administração Interna alerta para a necessidade de os comportamentos individuais serem adequados ao risco de incêndio.

Tendo em  conta o tempo seco e a subida de temperatura para valores acima da média para esta época do ano, estão reunidas condições favoráveis à propagação de incêndios rurais.
Assim, é proibida a realização de queimadas em todo o país.

Continua também a não ser permitido:

  • Realizar fogueiras para recreio, lazer ou para a confeção de alimentos;
  • Utilizar equipamentos de queima e de combustão, destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;
  • Queimar matos cortados e amontoados ou qualquer tipo de sobrantes de exploração;
  • Lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias de atravessamento ou circundantes;
  • Fumigar ou desinfestar apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.

Recorda-se ainda os cuidados a ter com trabalhos agrícolas e florestais:

  • Manter as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras;
  • Abastecer as máquinas a frio e em local com pouca vegetação;
  • Guardar todo o cuidado com as faíscas durante o seu manuseamento, evitando a sua utilização nos períodos de maior calor.

 Gabinete de Imprensa do Ministério da Administração Interna
    
Lisboa, 17 de novembro de 2017

Aviso à população 2020/10/20

CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS ADVERSAS - Vento, Agitação Marítima e Precipitação

De acordo com a informação meteorológica disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê-se um agravamento das condições meteorológicas a partir da tarde de segunda-feira, dia 19 de outubro, com chuva forte, persistente e generalizada no território de Portugal continental, vento forte, a sul do Sistema Montanhoso Montejunto-Estrela e nas terras altas e agitação marítima forte em toda a costa.

PDF icon Aviso
Aviso - ANPC 2017/09/22

Aviso 22 de setembro 2017 - Perigo de incêndio florestal – Tempo Quente e Seco

De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA prevê-se para os próximos dias:

  • Ligeira subida da temperatura prevendo-se 30 a 33ºC nas regiões do interior Centro e Sul;
  • Descida dos valores de HRA;
  • Vento do quadrante Oeste a diminuir de intensidade a partir da tarde de hoje, podendo soprar de Leste pouco significativo durante a próxima noite (<25 Km/h).

Índices de risco de incêndio a manterem-se hoje elevados para o Algarve, prevendo-se um ligeiro agravamento nos dias seguintes, em especial no Domingo (24set).

Efeitos expectáveis:

Em função da previsão da evolução das condições meteorológicas é expectável:

  • Tempo quente com vento moderado do quadrante leste, com permanência de condições para eventual ocorrência e propagação de incêndios florestais em Portugal Continental.


Medidas de Auto-proteção:

A ANPC e o Serviço Municipal de Proteção Civil, recorda que, de acordo com as disposições legais em vigor, não é permitido em todos os espaços rurais:

  • Realização de queimadas, de fogueiras para recreio ou lazer, ou para confeção de alimentos;
  • Utilização de equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;
  • Queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração;
  • O lançamento de balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
  • Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias que os circundem;
  • A fumigação ou desinfestação em apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.

A ANPC e o SMPC recomendam a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio florestal, nomeadamente com a adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, observando as proibições em vigor e tomando especial
atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias, disponível junto dos sítios da internet da ANPC e do IPMA, junto dos Gabinetes Técnicos Florestais das Câmaras Municipais e dos Corpos de Bombeiros.

PDF icon Aviso à População
Aviso à População 2018/03/08

Aviso N.º AP/5/DCS - 2018-03-08 - 15h30 - Precipitação, Vento e Agitação Marítima


​Situação Meteorológica:

De acordo com informação disponibilizada pelo IPMA, prevê-se para os próximos dias um agravamento das condições meteorológicas, nomeadamente precipitação forte, trovoada, intensificação do vento com possibilidade de registo de fenómenos extremos, e agravamento da agitação marítima em toda a costa:​

  • Precipitação forte e persistente em todo o território a partir da próxima madrugada e previsivelmente até domingo (11 mar), em especial no Minho e Douro Litoral, podendo abranger também os distritos de Vila Real, Viseu e Aveiro. Os valores acumulados podem atingir os 40-60 mm/12 horas, com o período mais crítico a ocorrer entre as 15 horas e as 21 horas de amanhã (09 mar).
  • Vento moderado a forte (até 55 km/h) do quadrante sul, com rajadas até 85 km/h, no litoral, e de até 110 km/h, nas terras altas. Possibilidade de ocorrência de fenómenos extremos de vento, mais prováveis a Sul.
  • Agitação marítima de sudoeste em toda a costa, com altura da onda a chegar aos 4-5 metros, a partir das 18 horas de amanhã. No domingo prevê-se o agravamento do estado do mar com ondas a ultrapassarem os 7 metros na costa ocidental e picos máximos de até 14 m (período a rondar os 14 s).

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt



​Efeitos expectáveis:

Face à situação acima descrita, poderão ocorrer os seguintes efeitos:

  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais mais vulneráveis;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência.

 


Medidas Preventivas:

A ANPC aconselha a adoção de comportamentos adequados por parte da população como forma de mitigar o efeito do mau tempo na normalidade de vida das pessoas, designadamente nas zonas historicamente mais vulneráveis do território.

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível acumulação de neve e formação de lençóis de água nas vias;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando se possível a circulação e permanência nestes locais;
  • Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos muito próximos da orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.​
PDF icon ap_05_dcs_2018_03_08.pdf

Páginas